El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

2011
30
Oct
AlÉm do Mercosul

Presidente da Fina, Pablo Noël, pede acordo bilateral para a indústria naval nos moldes da indústria automobilística

Mão de obra, experiência e disposição são alguns dos argumentos da Argentina para buscar a ampliação da cooperação com o Brasil no setor naval e offshore. Aproveitando o bom momento da economia brasileira e do segmento, os argentinos vêm promovendo encontros no Brasil para ampliarnegócios e destacam a importância da parceria entre os dois países. Em entrevista à Portos e Navios, o presidente da Federação da Indústria Naval Argentina (Fina), Pablo Augusto Noël, destaca a importância de a cooperação entre os dois países tornar-se cada vez mais sólida. Noël aponta a qualificação da mão de obra como um dos principais trunfos da Argentina para ampliar a participação do país nos negócios envolvendo o setor naval brasileiro e pede um acordo bilateral específico para o setor naval. Os nossos vizinhos têm interesse no know how brasileiro na área offshore.

Portos e Navios — Como a Fina avalia as relações entre Brasil e Argentina, especialmente no setor naval?

Pablo Noël — As relações são boas, tanto no âmbito governamental, como no âmbito privado. Os governantes dos dois países vêm reiteradamente focando suas atenções e estimulando a interação da indústria, especificamente do setor naval. Quando fazem referência específica à indústria naval, explicitam o interesse para a busca de acordos de cooperação e complementaridade. O setor privado caminha pelo mesmo caminho.

PN — No último dia 3 de agosto, a Fina renovou acordo de colaboração com o Sinaval. Quais são os pontos principais e os resultados esperados?

Noël — Em março de 2008, o Sinaval e a Fina firmaram um acordo internacional para favorecer e estimular as câmaras e empresas associadas de ambas as instituições a estabelecer vínculos comerciais e produtivos de maneira a resultar numa eficaz atividade conjunta que tenha características de complementaridade, cooperação e associação. O mesmo foi assinado com a intenção de que fosse incluído para formação de parte do esquema de trabalho do primeiro Encontro Empresarial Binacional para o Desenvolvimento de estratégias de Cooperação e Articulação Produtiva, em organização pelos governos brasileiro e argentino. Em agosto de 2010, foi assinado um aditivo do acordo de 2008, em que se renovou o compromisso a partir das declarações conjuntas no início das reuniões bilaterais dos presidentes dos governos do Brasil e da Argentina. Por último, durante a Navalshore 2011, no estande da Fina, foi decidido ratificar e prorrogar o acordo de cooperação internacional de reciprocidade e complementaridade entre as indústrias navais brasileira e argentina até 3 de julho de 2014. Estabeleceu- se umarenovação automática. Consideramos que o marco institucional está dado para que os setores navais do Brasil e da Argentina continuem buscando alternativas para o desenvolvimento efetivo da vinculação e cooperação deste setor e para que finalmente se encontrem materializadas em projetos concretos em prol do crescimento de ambas as economias. Este acordo renovou o enfoque sobre a visão compartilhada do requerente mercado regional em relaçãoao transporte fluvial, serviço de exploração de petróleo.

PN — Na avaliação da Fina onde se encontram as maiores oportunidades da indústria naval brasileira? O que atrai as empresas argentinas?

Noël — Em sua impressionante expansão iniciada num planejado processo de desenvolvimento, o qual produziu a abertura do mercado de exploração offhore e de refino, produziu-se desta forma a necessidade de uma enorme demanda de embarcações de transporte bruto, de apoio e plataformas. A indústria naval argentina pode fazer um bom aporte a esse desenvolvimento, acelerando os tempos de fabricação, tão necessários para poder alcançar os objetivos finais.

PN — Em que pontos a Argentina está mais avançada que o Brasil, podendo contribuir ao desenvolvimento de nosso mercado?

Noël — Acreditamos que a Argentina tem pontos fortes que podem contribuir para o desenvolvimento regional em nossa indústria.Entendemos que a Argentina tem uma história e tradição na indústria naval. O navio argentino tem um bom prestígiointernacional por sua qualidade. A Argentina tem plantas industriais com capacidade para absorver parte da demanda que pode ser exigida internacionalmente. Além disso, temos feito um forte trabalho de formaçãode capacitadores e na capacitação propriamente dita dos trabalhadores. Nosso país conta com excelentes profissionais da engenharia naval. A Argentina também pode cooperar no que diz respeito à oferta de espaços para reparação.

PN — Que necessidades são mais perceptíveis na indústria naval brasileira?

Noël — Entendemos que os processos de integração e complementação resultam em grande importância para o fortalecimento de uma indústria naval regional, levando em consideração o vertiginoso processo de desenvolvimento da indústria naval brasileira.

PN — Há alguma estimativa de quanto o setor naval argentino está disposto a investir no setor naval brasileiro?

Noël — Seguramente, a indústria argentina em geral está disposta a contribuir com as necessidades do Brasil nesses setores e, não apenas os estaleiros navais, mas estudos de engenharia, e fornecedores em geral. Encontramos nos empresários do setor interesse em investir no Brasil.

PN — Muitas pessoas apontam a falta de mão de obra como um dos principais problemas do mercado brasileiro. O modelo argentino é exemplo para o Brasil em termos de qualificação?

Noël — Um dos pontos fortes da indústria naval argentina está na capacidade de seus recursos humanos, assim como pela possibilidade de incrementar rapidamente suas escolas graças aos programas de formação articulada entre o Ministério das Associações do Trabalho, Indústria e sindicatos.

PN — De que forma o Brasil pode contribuir com o setor naval argentino? Que tipo de parcerias estão sendo realizadas?

Noël — Percebemos com muito sucesso o processo de desenvolvimento de sua indústria naval, entendendo que a experiência brasileira pode contribuir para o desenvolvimento da exploração offshore e da demanda de embarcações associadas a esta atividade. Por esta razão, cremos na integração nos dois sentidos, onde exista uma vocação de abertura bilateral real. Nesse sentido, percebemos um aprofundamento dos esforços, a partir de declarações, não só das presidentes, mas também de dirigentes de alto nível como Alessandro Teixeira, secretário-executivo do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil, e o próprio ministro Fernando Pimentel, impulsionando programas de integração produtiva. Poderia replicar o acordo com a indústria automobilística — tão bem sucedida para ambos os países — adaptada à indústria naval.

PN — Qual a importância de parcerias com empresas brasileiras?

Noël — Considero que a aliança e a cooperação binacional aumentarão a capacidade de oferta regional orientada ao resto do mundo, posicionandonos como vendedores de produtos de alta qualidade e a preço competitivo.

 

Medio: Portos e Navios (Brasil)

Fecha: Octubre de 2011

pie